A guilda NoobCraft está de portas abertas!

Nos últimos meses, o blog tem andado meio calmo, mas nós não estivemos parados. Bem pelo contrário, estamos […]

Nos últimos meses, o blog tem andado meio calmo, mas nós não estivemos parados. Bem pelo contrário, estamos firmes e fortes no WoW fazendo aquilo que mais gostamos de fazer: nos divertir jogando e ajudando outros jogadores. E esse nosso envolvimento é que deu origem à guilda NoobCraft — atualmente, rebatizada para Bloody Blades.

A guilda NoobCraft surgiu com o objetivo claro de reunir pessoas que querem curtir o jogo  a fundo, sem frescuras nem drama, e sem bater de frente com a ‘vida real’. Nossa proposta é a de sermos uma guilda casual e madura, sem exigências de conhecimento, nível, classe ou horários. Nosso comprometimento é com o prazer de jogar World of Warcraft.

Assim como o blog, a guilda NoobCraft é ‘noob friendly’, ou seja, nós damos as boas vindas para todos os tipos de jogadores, mas sabemos que os novatos são os que precisam de maior ajuda. Afinal, para quem está começando agora há universo gigantesco de histórias, lugares, mecânicas e macetes pela frente. Portanto, ser solidário e estar disposto a ajudar e compartilhar conhecimentos com os demais são princípios fundamentais da NoobCraft.

Se você é novo no WoW ou simplesmente procura um grupo de pessoas maduras e divertidas com quem aproveitar seu tempo no jogo, está convidado(a) a juntar-se à NoobCraft. Não importa se você está começando ou já sabe tudo sobre WoW, se você joga 4 ou 40 horas por semana. A única exigência para fazer parte da guilda é ser educado, respeitar e se dispor a ajudar os mais novos. Simples assim.

Atualmente, a NoobCraft/Bloody Blades está ativa no Goldrinn (Aliança), mas ‘congelada’ no Nemesis (Aliança).

Para saber mais sobre nossos Princípios e como nos contatar, acesse: http://noobcraft.com.br/guilda-noobcraft

Nos vemos em Azeroth!

Você vai gostar de ler...

About Sensever

Mais pra Aliança do que pra Horda, mais pra morto-vivo do que pra humano, sempre brigando contra o 'altoholicismo'